Seris movimenta quase 600 reeducandos no Complexo Penitenciário

O ano mal começou, mas os trabalhos no sistema prisional seguem intensos. Após superar um ano de crise no âmbito carcerário nacional com planejamento, responsabilidade e muito trabalho, o Governo do Estado, por meio da Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris), não perdeu tempo. Nesta quinta-feira (11), aproximandamente 600 internos foram movimentados no Complexo Penitenciário Alagoano, com o apoio do Poder Judiciário.

Em uma demonstração de força do Estado e integração entre os agentes penitenciários, que coordenaram a operação, e os policiais militares, 444 custodiados do Presídio Cyridião Durval foram conduzidos para Penitenciária de Segurança Máxima e 150 fizeram a movimentação inversa. A medida aumenta a segurança e controle das unidades, isola lideranças criminosas e atende a Lei de Execução Penal (LEP).

Participaram da extração, revista, varredura e movimentação os agentes penitenciários do Grupamento de Escolta, Remoção e Intervenção Tática (Gerit) Comando de Operações Penitenciárias (COP), Cyridião Durval, Penitenciária de Segurança Máxima, além dos servidores da Chefia de Frota e Centro de Monitoramento Eletrônico de Presos (CMEP). Militares do Batalhão de Rádio Patrulha (BPRP) também tiveram um papel imprescindível.

Além dos procedimentos operacionais, a equipe médica da Gerência de Saúde fez o serviço de ‘porta de entrada’ dos apenados, com a triagem, distribuição dos fardamentos e kits de higiene pessoal. A iniciativa preserva a integridade física dos custodiados e promove a dignidade nos presídios. Ao final da missão, o secretário da Ressocialização, coronel Marcos Sérgio de Freitas, falou sobre o apoio do governo Renan Filho e atuação dos servidores.

“Intensificamos as medidas preventivas e ressocializadoras para que a justiça prevaleça em Alagoas. Temos recebido total apoio do governador Renan Filho e com o empenho e dedicação dos agentes penitenciários, amparados na LEP, estamos fortalecendo as medidas de segurança e levando um tratamento justo aos custodiados, pondo em prática nossa missão: tornar a ressocialização uma realidade no Estado”, finaliza Freitas. 

Retrospectiva

Vale lembrar que em 2017, foram movimentamos mais de 6,5 mil apenados nas operações, realizadas dezenas de varreduras nas unidades prisionais do Estado. Como resultado houve uma redução de 34,5% nas fugas em comparação com o ano anterior. Além desses dados, Alagoas encerrou o ano com 812 reeducandos inseridos em postos de trabalho dentro e fora do cárcere e mais de 411 custodiados estudando regularmente nos presídios.

Ascom – 12/01/2018

(Visited 8 times, 1 visits today)