Tite nega espionagem ao treino do Peru: “palavra de honra”

O jornal Líbero, do Peru, publicou nesta sexta-feira que um dos treinos da seleção do país, no Pacaembu, foi espionado por Tite. O caso foi assunto na entrevista desta sexta-feira, na Arena Corinthians, e o comandante brasileiro deu sua “palavra de honra” para negar a matéria.

“Tenha a minha palavra de honra de que não houve nada. A palavra de honra. Se tiver que pagar esse preço para vencer, eu pego meu boné e vou para casa. Se tiver que bater para vencer, pego meu boné e vou para casa. Não tenho mais idade para isso”, afirmou Tite.

“Não compare, quando é treino aberto, em outras circunstâncias. Fiz com o Cleber (Xavier, auxiliar), contra o Corinthians. Era treino aberto, falei para ir ver. Mas uma situação fechada, aí não”, acrescentou, segundo o Terra.

O caso citado por Tite foi durante a final da Copa do Brasil, em 2001. Então à frente do Grêmio, ele mandou Cleber para assistir a um treino do Corinthians, comandado por Vanderlei Luxemburgo. O auxiliar foi identificado e expulso por seguranças do Parque São Jorge.

Os treinos durante a Copa América normalmente são abertos nos primeiros 15 minutos. A atividade de quinta, na qual o Líbero cita o caso de espionagem, a imprensa teve de deixar o local logo no início do trabalho.

22/06/2019

(Visited 1 times, 1 visits today)